segunda-feira, 12 de março de 2012

A chegada do filho e a fase de adaptação

Postado e Escrito por Renata Palombo
Fonte: Google Imagens

A chegada de um filho é mágica é transformadora, mas não é nada fácil, mesmo quando muito desejada. Por mais que as pessoas nos avisem sobre isso, só compreendemos verdadeiramente quando sentimos na "pele". Há pouco tempo, 4 pessoas próximas a mim passaram por esta fase (1 irmã e 3 amigas), e inevitavelmente me remeteram às lembranças da minha fase de adaptação, então decidi escrever aqui como foi tudo isso pra mim, talvez ajude outras pessoas que estejam passando por isso a pelo menos se conformarem de que não são as únicas no mundo a sofrer com isso.

Durante um bom tempo da minha vida eu não queria ter filhos, mas quando surgiu em mim o desejo de ser mãe eu desejei intensamente e lutei de várias maneiras para que isso se tornasse realidade. Muito ansiosa que sou, sofri com a espera, tempo que serviu também para que construisse muitos sonhos e idealizações do quanto eu seria uma mãe maravilhosa e teria um filho maravilhoso e uma família maravilhosa, tudo com muita harmonia.

Depois de mais ou menos "1 ano e meio" de "gestação", meu primeiro filho "nasceu" em nossas vidas. Foi muito delicioso ir buscá-lo!!! Enfim a resposta de nossas orações. Todos eufóricos, as felicitações dos amigos e familiares e meu sonho concretizado! Mas diferente dos contos de fadas a história não acabou assim: "...então eles se encontraram e viveram felizes para sempre..." Na vida real a frase foi: "...então eles se encontraram, viveram muitas mudanças e tiveram que se adaptar..."

Acho que a primeira grande dificuldade foi a de me dar conta que minha vida nunca mais seria a mesma. Eu tinha "ganhado" alguém para cuidar para sempre e "perdido" a possibilidade de cuidar somente de mim mesma. Haveria sempre alguém a quem eu deveria atender antes de atender minhas próprias necessidades em relação a tudo: tempo, alimentação, sono, marido, TV... Teria que cuidar de mim e de mais alguém... Inevitavelmente entrei em um processo de luto/tristeza pela perda da vida anterior. Senti medo de pensar que talvez eu pudesse não gostar dessa nova vida. Medo de não dar conta dela. Não dava para voltar atrás. Comecei a sentir que era melhor não ter mexido em algo que já estava funcionando tão bem. Como não querer mais algo que eu havia lutando tanto para ter? Senti culpa.

Os amigos, familiares e conhecidos ao saberem da notícia nos parabenizavam com alegria e falavam das delícias de ser mãe e do amor incondicional. Apesar de contente por ver pessoas se importando comigo, o sentimento predominante era o de culpa. Culpa por estar tão cansada, culpa por estar com medo, culpa por não sentir o tal amor incondicional, por não estar feliz como as pessoas me faziam acreditar que eu deveria estar.

Assim como eu, meu filho também estava se adaptando a nova vida e aí vieram os inúmeros problemas de comportamento dos quais eu nao tinha a menor idéia do que fazer. Eu enxergava seus comportamentos com intensa frustração porque ele não era o filho que eu idealizava, e mais uma vez o luto, agora pela perda do FILHO IDEAL.

Hoje eu entendo que os problemas de comportamento era a maneira dele expressar que também estava com medo, que também não sabia o que fazer, que também estava sofrendo com a perda da vida anterior, que também sentia culpa por não me amar incondicionalmente e por não conseguir me chamar de mãe. Me desafiava na tentativa de testar minha real aceitação. Mas na época eu não compreendia nada disso. Imensa frustração também por não saber o que fazer com tudo aquilo. Morre aqui a mãe que eu idealizava ser, aquela que seria capaz de dar conta de qualquer dificuldade com sabedoria e serenidade. Que nada!!! Sensação de pura impotência e impaciência. Novamente o luto/tristeza, agora pela morte da MÃE IDEAL.

Se por um lado eu fui privada do desgaste físico por não ter parido e por nunca ter perdido uma noite de sono com meu filho, por outro lado eu fui sobrecarregada pelo desgaste emocional, pois meu filho havia "nascido" pela adoção e o significado que as pessoas davam a isso era de um imenso ato de amor, bondade e heroísmo, o que aumentava minha auto-cobrança achando que eu tinha que dar conta de tudo sozinha e que nada podia dar errado. Aumentava também a minha culpa por não ser tão boa e por estar sentindo tantas coisas más.

Se eu tivesse parido certamente eu teria tido ajuda de algumas pessoas. Eu não tive isso pois talvez as pessoas pensassem que por ser meu filho já crescido eu não precisava. Mero engano. Descobri que as mães puérperas precisam de ajuda não apenas porque estão debilitadas pelo parto, mas principalmente porque estão regredidas e fragilizadas emocionalmente. Confesso que também senti mágoa do mundo, pois recebi visita de apenas duas pessoas que se alegraram em vir até minha casa para conhecer meu filho recém-chegado, o que não acontece com quem recebe um filho recém-nascido.

Aconteceram também as mudanças no relacionamento conjugal que passou a não ser mais o mesmo. Eu já não tinha mais tempo para meu marido e nem ele para mim. Sempre havia um terceiro entre nós mudando uma dinâmica de 6 anos. Eu não posso me queixar do meu marido que sempre foi muito parceiro em tudo, mas nossos desentendimentos aumentaram consideravelmente com a chegada do filho, pois o via agindo enquanto pai de forma que eu não concordava... e lá se ia o PAI IDEAL trazendo luto e tristeza novamente. Assim como ele também discordava de muitas de minhas atitudes enquanto mãe.

O fato é que hoje tudo isso passou! Eu ainda me sinto culpada, frustrada, impotente e com medos em muitas situações e meu filho continua se comportando mal em muitos momentos. Talvez eu possa ter me resignado, me acostumado, me acomodado... mas o que eu acho mesmo é que hoje as coisas são diferentes porque eu vivo muito mais a MÃE REAL, com o FILHO REAL e com o PAI REAL, embora os IDEAIS ainda me assombrem muito.

Uma outra coisa que fez toda diferença comparando o antes com o agora é o AMOR. Amor que não surgiu da noite para o dia, mas que foi construído através da troca e da entrega de todos nós. Com o amor fica mais fácil superar as dificuldades. Hoje ao lembrar de tudo o que senti e vivi, parece nem ter sido tão dificil (embora eu saiba que foi, e muito).

Eu sei que muitas mães também passaram por isso e muitas estão passando, independente das circustâncias em que os filhos chegaram em suas vidas. Para conseguir superar essa fase tão dificil eu fiz muitas coisas, busquei muitas ajudas. Como este post já está muito grande, eu prometo publicar no próximo as coisas "que eu fiz para me ajudar na fase de adaptação". Talvez as alternativas que eu busquei possa ajudar alguém que esteja passando por isso hoje. Então se você está passando por isso ou conhece alguém que esteja não deixe de passar no post publicado dia 14 de março.
Se você quiser compartilhar conosco alguma dificuldade que teve na sua fase de adaptação, fique a vontade.

Embora muitas coisas são adaptações diárias e constantes, embora temos que nos adaptar a cada mudança de fase dos filhos, sou feliz porque hoje já estamos adaptados inclusive em saber que teremos que nos adaptar sempre...

OBS.: Existem inúmera bibliografias na área da psicologia que abordam as manifestações psiquicas do pós parto e também do pós adoção, onde aparecem os conceitos de culpa, frustração, impotência, luto, entre outros. Eu não falei aqui de conceitos técnicos, falei da minha vivência pessoal. Isso não significa que estes sentimentos sejam sentidos e vividos por todas as pessoas da mesma forma. Existem variações na intensidade, circunstâncias e maneira de expressão. Lembrando que nem todas passam por isso.

15 comentários:

Juliana (Contos de uma Mãe Pandora) disse...

Re, que bom ter te encontrado!
Desde o início me sentia muito sozinha com estes mesmos sentimentos relatados por você e que só entende realmente, quem vive uma situação como a nossa. A adoção tardia realmente tem seus desafios no início e também compartilho do seu sentimento que tudo passa. É importante que nós, pais e mães que já vivemos isto, possamos compartilhar nossa experiência real, para que outros pais não desanimem.
Um beijo grande, Ju
P.S. Estou aguardando seu texto, ok? ;-)

Ma Petite Lima disse...

Re! Tem um selinho pra vc la no blog..
Bju bju
Joanna

http://mapetitelima01.blogspot.com/

Célia disse...

Que postagem linda Re. Desejo que a cada adaptação, você busque o auxílio de Deus para então compreender que nada é por acaso.

Alyne Afonso disse...

É engraçado. Uma vez falei com um professor de filosofia sobre como eu me sentia em relação ao meu corpo depois que tive minha 1ª filha, e quando ele citou a palavra "luto" para explicar a sensação que estava tendo por perder meu antigo corpo eu achei estranho. Hoje eu entendo isso e entendo que sempre haverá um luto, sendo nós mães ou não, pois tudo passa. Talvez, se você não tivesse se arriscado para viver essa aventura, hoje estivesse em luto pelo sonho que deixou morrer. Eu vivo meus "lutos" todos os dias, e vamos nos adaptando e aprendendo a ser feliz mesmo no luto.Isso fz parte da vida, né?

Marta disse...

Renata, adorei o seu texto! Bjo!

Sonia Toselli disse...

Perfeito. E te digo com todas as letras que isso não acontece só na adoção tardia. Passado o 1o. momento de "encantamento" a realidade é essa mesma, plena de lutos e onde a gente tem que reagir e buscar forças porque não dá pra voltar atrás, mas que bate o medo da responsabilidade assumida, isso bate. e por mais que julguemos estar preparadas, cho que todas passaremos por isso, afinal somos humanas e normais. Bjão e Parabéns

Fabíola disse...

Muito, muito, muito obrigada pelo texto! Ainda nem li inteiro, mas não me aguentei, tive que vir comentar! Foi exatamente isso que senti qdo me chamaram para conhecer uma criança. A diferença é que me deixei levar pelo medo imenso e disse não para ela. Agora estou me preparando para dizer sim para a próxima que uma dia há de vir e esse texto me ajudou demais! Agora entendo o que foi que aconteceu comigo e que isso acontece com outras pessoas e pode ser superado!

emagrecendo e vivendo disse...

Olá , adorei , pois a 3 meses estou vivendo a adaptação ...muitas coisas só me dei conta agora lendo seu texto , me encaixo completamente em suas palavras . Obrigada por dividir suas experiencias . aguardo então o dia de hoje . um beijo Patricia

emagrecendo e vivendo disse...

Olá adorei o texto , porque a 3 meses estou vivendo esta famosa fase, me encaixo em suas palavras , obrigada por dividir suas experiencia. um beijoPatricia

Juliana disse...

É tao legal poder ler um texto transparente e sincero. Vc conseguiu falar ao coraçao de todas as maes sem cuidados, sem fantasias e isso fez diferença. Todas as maes de todos os filhos vao ter q assumir q as etapas sao assim mesmo e o mais legal q passa. Ou melhor, nao passa, nós q ressignificamos para vivermos de forma sadia com a escolha q fizemos. Mais do q ninguem vc acompanha essa nova fase, como eu tenho acompanhado a sua e nada, nada de diferente. Ao contrário, exatamente igual. A unica diferença pode ser a forma q enfrentamos essas fases. Parabens e obrigada pelo texto.

Renata disse...

Venho sempre acompanhando seu blog, adoro seus textos, mas este me pegou em cheio, ontem estava falando com o marido sobre como idealizamos um filho mas que talvez ele não seja nada disso.É o tipo de coisa que não paramos para pensar.Lendo seu texto me fez refletir muito, talvez se nos prepararmos agora seja bem mais fácil lidar com os problemas no futuro.Obrigada.Grandes Beijos

Jaqueline disse...

Olá, foi por Deus ter lido este texto, pois hoje eu ligaria para o promotor e diria que devolveria o meu filho do coração de 07 anos, que está conosco há 06 meses. Sinto todos os lutos descritos acima, mas a impressão é que não vai ter fim. Agora vejo que posso ter a vitória. Beijos e que Deus nos abençoe!!!!

Renata Palombo disse...

Jaqueline, se vc quiser podemos conversar mais... Sinta-se a vontade para me enviarum e-mail: renatampa@yahoo.com.br

Kelly dos Santos disse...

Nossa muito lindo e corajoso seu depoimento!!! Estou dando entrada na papelada para o cadastro e vc me mostro que não sou a única com as mesmas dúvidas e medos!!! Foi ótimo ler o seu depoimento, me sinto mais segura e confiante para seguir em frente!!!

Daniela Rubi disse...

Olá!
Li várias postagens do seu blog e tem sido muito edificante. Eu e meu marido estamos embarcando nesta aventura... e o mais incrível é não saber absolutamente nada do que nos espera. Temos consciência de que a adoção tardia traz em si muitos desafios, mas os medos já estão surgindo principalmente por não saber o que esperar. Estou feliz por ter compartilhado conosco sua vida e isso nos encoraja e nos faz sentir compreendida (pelo menos por alguém) rsrsrs.
Creio que Deus muitas vezes nos permite passar por situações como esta para provar o seu amor por nós. Ele nos amou mesmo quando ainda éramos pecadores.
Deus abençoe sua família e continue te inspirando para escrever mais e mais.
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...