domingo, 18 de março de 2012

Amar de Verdade

Postado e Escrito por Renata Palombo

Uma vez eu ouvi de uma pessoa muito importante para mim que eu não sabia o que era amar um filho de verdade porque eles não tinham nascido de mim. Confesso que esta fala me doeu muito, me desestabilizou! Não sei explicar exatamente porque, se foi por ter colocado em xeque minha maternagem, se foi por ter me feito duvidar do meu próprio amor pelos meus filhos, se foi por me fazer pensar que muitas outras pessoas também julgam assim...
 
Fiquei por dias ruminando isso e me perguntando o que era "amor verdadeiro". Alguém aqui sabe definir "amor verdadeiro"? Como eu descobriria se eu amo verdadeiramente meus filhos se não tenho a experiência da gravidez biológica para comparar?
 
Se quando esta pessoa falou em amar de verdade, usou a palavra "verdade" como antônimo de "mentira", eu posso dizer com 100% de certeza que o que eu sinto é de verdade sim! Existe! Está aqui! Dentro de mim!
 
Talvez quando a pessoa falou "de verdade" ela estivesse se referindo a quantidade, querendo dizer que ama-se mais um filho biológico do que um adotado, o que mais uma vez eu não vou poder comparar porque não tenho a experiência do biológico, assim como ela também não deveria tentar comparar porque não tem a experiência do adotado. Posso apenas dizer o que eu acho. Acho que se uma pessoa ama mais o filho biológico do que o adotado é porque nunca adotou de fato, pois uma vez adotado é filho. Filho é filho! Mas não é esse o assunto deste post, voltando a falar sobre a comparação da quantidade de amor, fico pensando em como fazer isso. Alguém tem uma máquina para medir quantidade de amor? Será que essa pessoa tem? Será que ela tem como saber se eu amo meus filhos mais do que ela ama os dela e vice versa? Eu não sei se eu amo mais meus filhos do que você que me lê, eu sei que os amo muito, em alguns momentos chega a doer.
 
Talvez esta pessoas estivesse se referindo a intensidade quando disse "de verdade". Pode ser que seja isso. Sim! Porque é muito intenso o que se vive durante uma gestação e um parto. A emoção de ter um ser pequenino e indefeso em seus braços que acabou de sair de dentro de você deve ser algo indescritível. Eu não tenho dúvida de que esta é uma experiência ímpar, profunda e intensa e eu não a vivi na carne (literalmente) para poder comparar a intensidade. Eu não sei a intensidade do amor de um filho que saiu de mim, mas eu sei a intesidade do amor de um filho que entrou em mim.
 
Até hoje eu não sei o que esta pessoa quis dizer com "amar de verdade", eu sei que o amor que sinto não é de mentira, é muito e é intenso!
 
Eu poderia responder-lhe que ela é quem não sabe o que é amor de verdade, porque amar alguém que você concebeu, gestou, pariu e viu crescer desde o primeiro minuto de vida é muito fácil. Quero ver esta pessoa amar alguém que cresceu em outro ventre, que tem outra carga genética, que chegou com uma história de vida anterior a você, que te desafia, te desconstrói, que você não viu crescer desde o primeiro minuto de vida... Mas eu não responderia isto, por dois motivos:
 
1º) Porque conceber, gestar e parir não é garantia de amor para nenhum filho (como vemos muito por aí), assim como a adoção também não o é (como também vemos por aí).
 
2º) Porque se eu respondesse isso eu estaria cometendo o mesmo erro que ela de julgar, quantificar e comparar os amores...
 
Amor não é mágia, é construção!
 
Amor não se mede, se sente...

18 comentários:

Syl - Minha Casinha Feliz disse...

Estou passada como tem gente sem noção no mundo! Taí que eu queria uma máquina de "medir o amor".... tanta gente ía quebrar a cara...

Renata, seus filhos são seus, gerados no coração e por isso extremamente amados. Eu imagino que o amor de uma mãe que nasce do coração deva ser imenso exatamente pelo que vc falou: é alguém com uma carga genética diferente, com uma história anterior. Mas é alguém que está ligado a vc pelo elo mais forte que o sangue: o coração!

Não se deixe abater por gente sem noção assim, dá uma resposta na lata e segue em frente!

Beijos
Syl
http://minhacasinhafeliz.blogspot.com.br/

Mãe para Mães disse...

Oi Renata
Não leve a sério julgamentos desnecessários! Só importa a você e ao seu filho o quanto se amam. Esqueça os outros e comparações tolas!Ninguém nunca mediu o amor. Viva sua maternidade como o seu coração manda.
Beijos,

Jamile
Mãe para Mães
#amigacomenta

Alyne Afonso disse...

Que história linda você foi capaz de construir sobre um julgamento tão feio. Parabéns, que Deus abençoe sua família linda!
(P.s.: tem sorteio lá no blog, vc está convidada!)

Solange disse...

Renata é absurdo o que as pessoas às vezes dizem.
Mãe é aquela que ama, cuida e cria, não importando se deu a luz ou adotou. O amor não pode ser medido e temos que aprender a sermos surdas de vez em quando, pois existem pessoas que não valem o nosso aborrecimento.
Beijos.

Katia disse...

Saber isso Re acho que nao vai mudar em nada o amor que você sente pelos seus filhos !!!
Seria melhor cada um cuidasse do amor que tem pelos filhos em vez de se preocupar com o amor dos outros neh?

Célia disse...

E eu acrescentaria que amor de verdade é o que nos faz compreender os gestos e não "as formas de concepção".

Sonia Toselli disse...

Parabéns pelo post!
Mãe é mãe qdo assume esse amor sem fazer a menor diferença de onde tudo começou. Tá cheio de filho biológico que não foi adotado integralmente. Infeliz a colocação de querer quantificar sentimentos. Pobreza de espírito, só isso.Deixa pra lá e continue amando de verdade os seus verdadeiros filhos
bjs

Na Boca do Sapo disse...

Olá! Temos o prazer de lhe convidar, a conhecer o novo Agregador de Links da web http://nabocadosapo.com.
Venha nos dar o prazer de ter sua presença.
Temos a seção Mundo Feminino.
Não deixe de visitar a seção “Parceiros” - http://nabocadosapo.com/parceria e aumente suas visitas. Confira as vantagens.
Na Boca do Sapo – Mais visitas para a sua página
Desde já agradecemos por sua atenção!

Cris Fagá disse...

Sim... Amar de verdade é muito amplo e nao se ama sò pelo sangue. Hoje eu tenho amigos que amo mais do que amo meu irmao. Mas qual dos dois amo de verdade? O meu amigo que sò veio depois ou o meu irmao que nasceu na mesma familia?

Voce tem toda razao. Nao existe amar de verdade ou amar de mentira. Se ama e ponto.

Tem mulheres - e homens - que amam cafajestes. Elas nao amam de verdade? Porque ele nao é bom para ela???? Ou ama mais porque se deixa de lado por amor a quem nao merece?

E aquela que se ama acima do parceiro? Ela nao ama o parceiro de verdade sò porque o amor por ela mesma é maior????

Entao: o que é amar de verdade? Todo sentimento de amor é verdadeiro. E se nao é de verdade, nao é amor.

Karina disse...

É amiga infelizmente somos julgadas, pelo amor, pela educação, pela comida que damos ou que nao damos minha sogra ta achando absurdo o Gustavo nao querer nada com açúcar e agente apoiar... Diz que ele vai emagrecer... E daí se emagrecer ? Desde qdo gordura é saúde, mas adianta falar? Nao, então o jeito é eu engolir o sapo... Como disse a Katia pq cada um nao cuida de seus próprios filhos e deixa a gente em paz nao é mesmo? Só nós é quem sabemos do tamanho do nosso amor, da nossa dor, das nossas angustias....

Anônimo disse...

Rê,
Acredito que existam vários tipos de amor e que também não dá para quantificar qual é o maior ou menor... São amores e pronto... O quanto eles são grandes ou pequenos somente o tempo e os conflitos pelos quais esses amores passam é que nos fazem dizer se são ou não de "verdade"...
Acho também que amar aqueles que geramos e passamos a cuidar desde o primeiro momento de vida, chega a ser fácil por toda carga hormonal e sentimental que envolve uma gestação aceita e querida...

Marta disse...

Que necessidade há de alguém atacar a sua maternagem tão plena senão a de ferir onde dói mais? Não valorize esse tipo de ataque achando que eles fazem algum sentido nobre. Renata, deve ser inveja e ciúmes do amor que vc tem.

Ane disse...

Filho é filho, a única diferença é que ele chegou até você através da adoção, mas é filho... e ponto final! Se fosse assim como explicar as pessoas que tem filhos biológicos e que vieram através da adoção? O amor por acaso é menor? Não creio.... triste ver alguém incapaz de amar o outro com pureza.
Beijos

Amanda Costa Silva disse...

Renata, eu aprendi que o amor é uma escolha. Acredito que a sua medida tem a ver com a presença de Deus nas nossas vidas. O amor vem Dele, está Nele e é com Ele que podemos nos despertar para o maior amor que é o genuíno. Muitas pessoas falam de amor e sobre amor, mas não sabem o que ele significa. Muitas pessoas geram seus filhos sem dar importância para isso ou mesmo sem saber o tamanho da graça que receberam. O amor é tão maior que uma gestação. Muitas vezes a criança é rejeitada no ventre materno e quando está no mundo, a mãe o vê, passa a conviver e desenvolve o amor; outras vezes a rejeição é definitiva. Acredito que o amor que você sente por seus filhos e imenso porque talvez tenha sido a mais difícil, maior e melhor escolha que você já fez até aqui. Parabéns, você é uma grande mulher e muito especial! Abençoada por
Deus e capaz de escolher amar e desenvolver o amor. Deus continue abençoando você que além de amar seus filhos, ainda se dispôs a compartilhar e contribui para que outras pessoas descubram o que é
amar de verdade...

ANDREA LAURENTI disse...

Olá, Renata, sou uma leitora platônica de seu blog e facebook... rs Acompanho, porém nunca tinha participado. Mas hoje, com seu texto, resolvi escrever!
Parabéns! Você construiu uma linda reflexão a partir de um comentário tão mesquinho da pessoa citada. Na verdade, ela tem os motivos dela para achar que o amor que concebe é maior, e você teria mil e um motivos para justificar porque o amor que adota é maior. Mas, você tem razão, não adianta "medir", porque na verdade, amor não se mede, se sente!
Eu ainda não tenho filhos, estou com quase 11 anos de casada, e tenho o imenso sonho de adotar! Estou um pouco perdida sobre como fazer, ´passei no fórum, fizeram um milhão de exigências, estou tentando reunir exames e documentos para dar entrada. Estou bem ansiosa com isso, mas tenho certeza de que uma benção, a maior delas, acontecerá na minha vida e de meu esposo em breve! E o amor já começa nessa fase, pois nos sentimos grávidos! Isso não é uma forma de concepção?...
Parabéns pela sua dedicação ao blog e por todas as reflexões que você apresenta! Nos ajuda muito!!
Sou sua fão e admiradora!
Beijos,
Andrea Laurenti

kênia oliveira disse...

olá RENATA adorei oq vc postou,tbm sou mãe adotiva de um bb de 8 meses,Deus me deu essa benção qd ele tinha apenas 1 mês e já se tornou a maior de tds as mhas riquezas,não fique triste pessoas amargas é oq mais existe nessa vida,e pessoas que fazem esses comentários não tem noção das coisas,esculto comentários idiotas sobre adoção quase tds os dias ,mas não ligo se Deus nos escolheu p. sermos mães de coração é pq somos mereçedoras !!bjs e fikem com Deus

Claudia Gimenes disse...

Oi querida, essa questão mexeu muito mesmo com vc, mas são nestes momentos que fazemos reflexões assim tão maduras e cheias de verdade como vc fez!
São estas coisas que mexem com a gente que nos fazem revirar tudo que temos dentro de nós e nos faz ver coisas que muitas vezes não conseguiríamos ver se alguém sem noção não tivesse mexido com nossos sentimentos!

Sei lá...eu questiono muito essa coisa de gerar e parir ser maravilhoso. Vejo muita gente falando da magnitude, do quanto se sentiu poderosa e isso e aquilo, mas ngm fala da parte difícil, da parte ruim e isso leva à falsa ideia de que esta é uma experiência surreal, que a gente se sentiria assim ou assado, diferentemente de qdo recebemos um filho adotivo.
É certo que é algo da natureza e é lindo, mas tenho certeza que não é nenhum conto de fadas...rss
Não dá para medir amor, nem emoção, mas creio que a emoção seja a mesma de ver a primeira vez um filho que vc gerou no ventre e um filho que se gerou no coração!
E para ambos os casos o amor é construção!
Essa questão do parto é igual a qdo se tem um rn em casa. Fala-se muito de como é bonzinho, de como dorme, de como é o sonho de qquer mãe e isso passa a imagem de que ter um bebê é só vida cor de rosa e não é bem assim. Conheci uma pessoa que teve depressão pq no grupo só o dela chorava e tinha cólicas, só ela passava a noite acordada e parecia um zumbi aí qdo ela colocou sua angústia as coisas não tão cor de rosa assim das outras mães apareceram tbm.

Enfim querida, o que quero dizer é que vc se desgarre dessa frase infeliz que te falaram pq vc ama seus filhos com todo o amor que vc tem para eles e eles te amam assim tbm e ngm pode julgar o seu amor simplesmente porque não existe amor de mentira. Vc ama DE VERDADE!
Eu acho que não conseguiria amar mais um filho biológico simplesmente pq acho que é impossivel existir amor maior do que eu já sinto pelos meus e acho que com vc seria a mesma coisa, só as experiências seriam diferentes!

A intensidade? Bem...isso depende da fase da vida em que estamos vivendo com os filhos! kkkk...brincadeirinha!

bjs.

Daniela Rubi disse...

Fiquei maravilhada com a sua sabedoria. Pessoas assim não merecem nem resposta. Mas enquanto lia, me lembrei do amor de Deus. Ele nos adotou como seus filhos por meio de Jesus Cristo. Será que o amor de Deus não é de verdade?! Pois é... considero maravilhosa a dádiva de gerar alguém no seu ventre, mas também agradeço a Deus por ter permitido que eu experimentasse o que Ele mesmo fez por mim.
Tenho certeza de que Deus te escolheu para ser mãe de filhos adotivos. Essa responsabilidade não é para qualquer um.
Beijos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...